Fonte: https://medicinasa.com.br/

O Programa Sentinela, de testagem semanal da população desenvolvido por professores e alunos do curso de Medicina da Universidade São Judas, aponta que 34% dos testados deram positivo para Covid-19 e estavam sem sintomas no primeiro mês de 2022. Em julho de 2021, quando a ação teve início, na cidade de Cubatão, o índice de positividade era de 0,62%, ou seja, menos de 1%.

Segundo Evaldo Stanislau, infectologista e professor do curso de Medicina da Universidade São Judas, responsável pelo Sentinela e integrante do Comitê Municipal Covid-19, esses casos positivos são pessoas que estavam nas ruas, fazendo suas atividades cotidianas. “Isso mostra a explosão muito impressionante do número de infectados pela variante Ômicron. Esse dado aponta que tem muita gente circulando e espalhando o vírus”.

Diante da constatação, o especialista aponta os caminhos daqui para a frente na pandemia. “O que temos que fazer agora é: diagnosticar mais, fazer adequadamente a quarentena dos infectados e avançar na vacinação, para que a gente não tenha impacto ou consequências clínicas da Covid-19”.

 

Sentinela

 

Pioneiro no País, o Programa de Testagem Sentinela é realizado desde julho do ano passado em Cubatão e consiste numa série de testes aplicados com o objetivo de medir o nível de presença do novo coronavírus entre a população assintomática, gerando indicadores que auxiliem na tomada de decisões no enfrentamento à Covid-19 no município.

O programa é uma iniciativa do curso de Medicina da Universidade São Judas em Cubatão, em parceria com Secretaria de Saúde e apoio do laboratório Abbott, que fez a doação dos kits de exames.

São 262 testes do tipo antígeno realizados por semana ao longo de 24 semanas em todos os bairros da cidade, de forma proporcional à população de cada um. O número segue o protocolo da Organização Mundial de Saúde (OMS) de dois testes a cada mil habitantes por semana.

São cinco equipes formadas por integrantes da secretaria e cerca de 40 alunos e profissionais do curso de Medicina.

Os casos detectados são monitorados e encaminhados para atendimento na rede municipal de Saúde, com rastreamento dos contatos para impedir surtos e o alastramento do vírus.

Além do próprio teste, realizado em pessoas assintomáticas, as equipes coletam dados clínicos e epidemiológicos com o objetivo de gerar um retrato da semana.

Os dados são transmitidos a um banco de dados com georreferenciamento, permitindo ao Comitê Estratégico Municipal Covid-19 e à Secretaria de Saúde agir em todo o município ou tomar medidas localizadas de acordo com a incidência do vírus em cada região.